Home
Família
Religiões
Pesquisa
Serviços
Busca
Info
Família Religiões Serviços Busca Pesquisa Info
 
 
Aprenda a dar o primeiro passo, mesmo com medo e insegurança
 

Aprenda a dar o primeiro passo, mesmo com medo e insegurança
por Angelina Garcia
Um exército de fantasmas a perseguia; todos absolutamente iguais, mesma estatura, ocultos por um manto azul-marinho da cabeça aos pés. A noite ia descendo no espaço por onde passassem. À frente de Helena o sol dourava a fina camada de areia que se estendia pela estrada a perder de vista. Nada mais se via. Ela, a linha divisória entre o dia e a noite.

. "Não há fórmulas, receitas, para vencermos fantasmas. Eles nos parecem aterradores, mas são desprovidos de matéria; se tocados, desmontam. Não necessariamente precisam ser vencidos antes que se dê o primeiro passo; o segredo é mover-se com medo e com insegurança, no desequilíbrio, no mal-estar, na fragilidade, mas mover-se"

Não saberia dizer por quanto tempo correu, se horas, se dias, se anos. Apenas a exaustão a faz parar, virar-se para trás e perceber que não adiantaria mais correr, ali estavam eles, todos eles. Pressentindo um desmaio, agarra-se ao braço mais próximo, que se desfaz ao débil toque. Estranhou que o fantasma não fosse tão forte, nem tão alto como imaginara.

Não media mais que ela. Arrisca-se, então, a tirar-lhe o capuz e se depara com um rosto anêmico de criança.

Parecia tão real, que Helena levou dias remoendo o sonho.

O primeiro movimento rumo a qualquer mudança seja talvez um dos mais difíceis porque sinaliza a tomada de decisão de um sujeito. Ele vai pisar em terreno desconhecido e é inevitável, nesse momento, a aparição de pelo menos dois grandes fantasmas, o medo e a insegurança, que desencadeiam na sua imaginação um rol de questionamentos responsáveis pela maior parte daquilo que deixará de realizar.

Insegurança e medo todos nós experimentamos, em alguma medida, em diversas
ocasiões. Precisamos identificar se essas sensações estão presentes o tempo todo, interferindo em qualquer de nossos pensamentos e ações, caso em que se torna necessária uma investigação mais profunda, até com o auxílio sistemático de um profissional; ou se elas ocorrem em situações pontuais, quando estamos prestes a assumir atitudes cujas conseqüências afetarão substancialmente a nossa e a vida de quem se relaciona conosco. Seja como for, temos que encarar os fantasmas.
Fatores internos e externos atuam de forma conjunta, determinando a maneira como lidamos com situações novas. Cada sujeito reage de acordo com sua constituição psíquica, sua história singular, sua inscrição na história, sua percepção de si, do outro, do mundo.

Admitir que todos nós temos insegurança e medo não significa usá-los como desculpa para não sairmos do lugar. Ao mesmo tempo em que é necessário considerar a força desses inimigos, devemos reconhecer nossa capacidade para encontrar estratégias próprias e impedir que o desconforto causado por eles nos imobilize.

É possível suportar os enjôos, as cólicas, a enxaqueca, os pesadelos noturnos, os suores frios, a falta de ar, o coração acelerado, a sensação de desmaio, desmaiar e voltar. Muitas vezes, o simples pensamento em se aventurar no desconhecido provoca um acesso de tosse, de espirro, um sono fora de hora. Estamos falando de gente e gente sente tudo isso e suporta, atravessa. Não devemos superestimar esses sintomas, deixando que tomem proporções que na realidade não têm. São apenas desdobramentos dos fantasmas maiores, que se juntam para nos desviar da meta. Por saberem que no fundo ainda não estamos acreditando que somos capazes de fazer a travessia, eles aparecem para nos testar.

Quantas vezes invejamos aquele para quem tudo parece fácil, como se ele fosse o mais destemido do mundo. Aparência. É que ele realiza as coisas com medo e insegurança, mas realiza.

Não há fórmulas, receitas, para vencermos fantasmas. Eles nos parecem aterradores, mas são desprovidos de matéria; se tocados, desmontam. Não necessariamente precisam ser vencidos antes que se dê o primeiro passo; o segredo é mover-se com medo e com insegurança, no desequilíbrio, no mal-estar, na fragilidade, mas mover-se.

 
Fonte:
Data: 8/10/2007
 
 

Voltar

 
 
 
 
 
 
 
 

Copyright ©2002 - Vida Perpétua Serviços S/C Ltda.